quarta-feira, 10 de março de 2010


Ultimamente eu me encontro lá
No meu esconderijo
Frágil, Doce, Divino
Com a palma da mão cheia de estrelas
Ouvindo violões
Como alguém que sente saudades
Leve como uma nuvem
Num céu claro, brilhante
Eu vou manter isso comigo
E se você acredita em sonhos
Conte-me os mais belos
Ou a ultima canção
Eu viajarei por ali
Saltarei viva no mais puro ar
Como gaivota
Ver as folhas da Cerejeira dançando no vento
Invente um jeito de me acariciar
De tocar, mas com cuidado
Que eu vou me esconder debaixo da coberta
No meu esconderijo
Frágil, Doce, Divino


Nenhum comentário:

Postar um comentário