quinta-feira, 22 de setembro de 2011


Sentia a primavera entrar em seu peito
Desfez o luto, suspendeu o silêncio
Cortejava o que temia
Não sentia medo, peitava o frio
O escuro lá fora

Resguardava seu coração, o lugar secreto
Refazendo contos
Resgatando sonhos

São canções que moravam nela
E em cada amanhecer um pouco de fé