segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Lá fora trovões e gotas de céu




Pousar o ouvido em teu peito

É debruçar na esperança

De uma semente estrela

Procuro em tuas mãos

Minha leveza

Em teus braços longos

O vento da delicadeza

O toque do teu beijo

Eleva o sonho vivido



E recebo com a alma agradecida

Ele que percebe minha voz

E desperta o meu coração

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sentimento Azul



Desenhos de luz
Em seu rosto

Queria manter-me acordada

Adormeci
Em meios sussurros
Com a nossa canção preferida

Abri os olhos
Era a urgência de mais um minuto

Espiava
Ele é de uma imensidão
Sem descrição

Fechei os olhos
Guardei tudo numa caixinha de veludo azul
Para acordar com ele



domingo, 20 de fevereiro de 2011

Escondida em seu silêncio



Em sua fé 
Encontrou-se a coragem
E nos instantes medrosos 
Encontrou-se a força
Na noite estrelar lançou um pedido
Olhou para dentro
Cores vibrantes, Paisagens valiosas
Uma esfera de luz
RESPIRAR
O ar dos dias recem nascidos
Lavando o embaraço
Aumentando a lente do olhar

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Tão Livre Como O Vento

Ensolarada manhã de Fevereiro
Céu tão grande
E
Clarinho
As nuvens contam a nossa historia
Respiro fundo

Há um quentinho cá dentro




Sempre quando ele vem......



domingo, 13 de fevereiro de 2011

Menino Solar Transborda

Meia-noite
Em teu quarto amarelar
Gosto de beijaflor
Iluminada com o som
Que vinha do seu peito
Feito poesia 

Guardei um pedaço do meu céu
Vaga-lume

Apertou os olhos 
E fez um pedido

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Tesouros


Noites bem calmas por aqui

Fui ontem olhar a lua e ouvi-la

A impressão do momento

Foi de que o vento rodopiava

Divertia... deslizando nas nuvens

Pedi ao vento que me levasse

Para perto do menino poeta

Em seus braços ouviria

Sua canção de ninar

Sua voz azul

 
Sussurraria ao pé do ouvido

Um tempo que imaginamos

E o coração disparava

Uma lagrima á beira dos olhos

ALEGRIA! ALEGRIA!

 
Foi quando abri meus olhos

Amanheceu

Custei me desprender do seu abraço

Saudadezinha no peito

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Cidade Iluminada



Tempos de silêncio

Sonhos escondidos

Ainda em construção

Já não sabia onde guardar

Tanto volume de poesia

Colheu todos esses sonhos

E fez um laço bem bonito

Com bordados de fio de luz



Tens ainda nas mãos

Seu rosto

Seus olhos

Seus pequenos gestos de afeto

Uma canção que socorre

Que invade e Pede licença


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Calmaria


Ele parecia mais um sol
Daqueles dias de primavera
De quando se pede silêncio
Com um sorriso e dois suspiros
Então você deixa o sol entrar
Bem quentinho no peito
Eram aqueles olhos de mimos
Era aquela cidade que ele tem
De sonhos, gentileza, amor