domingo, 23 de maio de 2010

Cirandas, Sonhos

Dia branco como espuma de sabão
Ela sentia imensamente a falta de muitos
Em especial, daquelas mãos em que, muitas vezes a acalmava
E o colo que repousava suas lágrimas
Então ficou perdida, suspensa no tempo
Sabia que viveria somente de momentos
Mas queria voltar
Queria viver tudo de novo
No mesmo lugar, no mesmo lar, com as mesmas pessoas
Tempos de cirandas,  
De dias coloridos, de sonhos, de lutas
A ti amiga, o meu coração protesta
Grita, chora e ri
Extravagância saudade
Ora machuca, ora sorri


(Para minha grande amiga Priscilla D'El Rei)

sábado, 1 de maio de 2010

Melodia N'Alma

Vontade de ficar quietinha

Escondo debaixo da coberta

Abraço o meu carneirinho de pelúcia





Respirando fundo

Espero o inverno chegar

Não quero sentir frio

Nem vazio


Semeio esperança dentro de mim



Ao bravo coração

Cuido com ternura

Não desisto de ninar, mimar, amar

Protejo

Encho-lhe os bolsos de sonhos

De calma-promessas

Peço que se vista com a pele de sorrisos

Que é melhor assim

Dizer que está vivo