quarta-feira, 17 de março de 2010


Nos dias verdes de hortelã
Sai de casa  apressada
Sem nescessidades das palavras grandes
Olhos nus diante
Dos muros e telhados da cidade
Sem relógio, já não tinha tempo.
Vestia-se de gaivota esperando o vento
Os sonhos de asas
E quando a noite chegava
Vestia-se de novo em  abrigo
Os muros e telhados da cidade
Conhece bem as mudanças
E sabe que tem prazo de validade

Um comentário:

  1. vc parece ser uma menina tão delicada, doce, seu blog é lindo, dá gosto de vir aqui
    beijoquinhas

    ResponderExcluir