quarta-feira, 4 de novembro de 2009




Eu amo a vida. Mentira????

Não, não é mentira. Essa foi uma das constatações mais fortes dos últimos dias, que acenam com ares de vida nova -  o dia-a-dia cheio de risadas ou a certeza de que a vida é clichezisticamente feita de um dia após o outro.
Que Deus conserve. Amém!

O que sei é que, ainda que tantas coisas continuem iguais, muitas outras têm se revestido de cores diferentes.
E isso tem sido uma grande delícia!

Então olho para trás e percebo o quanto da vida mudou em tão pouco tempo.
Os acasos! Que sempre me deixaram de boca aberta.
Aprendendo sempre.
Só a essência permanece, como aprendi há muitos anos. Sou o mesmo queijim de sempre, as mesmas atrapalhadas, o mesmo humor, a mesma intenção.
Cheia de desejos. Novos problemas. Mas o que seria da vida, afinal?
No momento, sou uma espera na janela. Planos sem cessar e cara a bater. Sou um projeto, um sonho, sou filmes, esperança, preocupação e agrado.
Sou pura pele.
E no meio de todas essas que são, sou ainda gente que quer fazer, quer tomar conta, quer mudança e continuidade.
Quero Deus, quero amigos, quero o bem.
Quero que as coisas tomem seus próprios rumos.

Um comentário:

  1. Gosto do teu texto, Tati...
    Consegues passar uma leveza, um sentimento bom e perspicaz... Quantos desejos, quantos sonhos, e quanta lucidez!
    Que assim seja.
    beijo!

    ResponderExcluir