quarta-feira, 15 de julho de 2009

Despedida

Essa quarta-feira cinzenta vai dormir
Coração miudinho....
Nó-de-marinheiro em minha garganta.
Olhos fechados, apenas respiro.
Poeira do passado
Por mais que eu me entrego ao presente perpétuo, sem passado, nem futuro
Lembranças ........
Pairando no tempo .... fico em despedidas
Até as arvores me entendem, Todas distantes....
Cegas, bêbadas de melancolias.
Necessidades.
Sentada em frente à televisão desligada
Vi filmes projetados na parede branca,
As histórias: Tão divertidas sempre.
A Vida feita de momentos.
Momentos.
Surpreendo-me ao descobrir: como é amplo meu interior, cabe o universo. Pode haver força, mesmo na fragilidade. Posso encontrar a totalidade, mesmo nos fragmentos.
Mantendo os olhos fechados, apenas respiro. Algo como o vento intenso de uma grande tempestade me arrasta por entre o caos.
Choro e oro quietinha.

.... ter que conviver com ausências, saudades
Ao meu querido amigo Fabian.....
O meu adeus ..... ofereço toda minha imensidão, meu desejo de total felicidade e paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário