terça-feira, 10 de julho de 2012

Ele dormiu com sonhos dela

Foi numa noite fria de julho...


O corpo dela parecia uma peça frágil entre flores.
Ele tem um jeito terno de sussurrar poesias.
Enquanto ela inaugurava contos,
Adormecia em seu peito e sentia que ali era sua morada
Suas mãos ficaram pequeninhas naquela imensidão
Quando seus olhos se encontraram
Deixaram cair sinais suaves, como quem constrói uma ponte de dois corações.
Enquanto ele alisava seus cabelos, jurava eternizar aquele momento 
Agora ela não era mais uma, mas duas ou três, não dava para contar, 
Sua cabeça ainda zunia o amor que suspirava

Nenhum comentário:

Postar um comentário